top of page

Seminário sobre agroecologia é realizado em Itatiba do Sul

O seminário “Agroecologia, produção e sanidade de muda” foi realizado (13/09) em Itatiba do Sul (RS), com a participação de cerca de 50 agricultores.



O seminário “Agroecologia, produção e sanidade de muda” foi realizado nesta terça-feira (13/09) em Itatiba do Sul (RS), com a participação de cerca de 50 agricultores. O evento faz parte das ações previstas no Termo de Fomento número 909823/2021, assinado pela Cooperativa Central de Tecnologia, Desenvolvimento e Informação (Coopertec), a fim de incentivar a produção orgânica.


O projeto, viabilizado pela parceria entre Coopertec, Cresol e Centro de Tecnologias Alternativas Populares (Cetap), tem por objetivo fomentar o fortalecimento da agricultura familiar e da produção orgânica, através de acompanhamento técnico, disponibilidade de insumos para melhorar a fertilidade do solo e assim possibilitar a ampliação de alimento e renda para famílias e grupos produtivos.


Ao todo, serão 15 seminários de capacitação que abordarão temas como sementes crioulas, agroecologia, abelhas nativas sem ferrão, entre outros. Esses eventos serão realizados nos municípios das cooperativas da Cresol Base Alto Uruguai. Nesses locais, os cooperados já recebem assessoria técnica através do convênio entre Coopertec e Cetap.


O funcionário do Cetap, Albenir Concolatto, iniciou esse trabalho há dois anos na região do Alto Uruguai, em virtude de um convênio com a Coopertec/Cresol. Atualmente, ele acompanha aproximadamente 45 famílias, em cerca de 10 municípios. “Nós temos uma equipe do Cetap na região, sendo quatro técnicos que acompanham diversos grupos de produção. Desde a certificação, a produção e a indicação de insumos, portanto toda a parte técnica. Além disso, auxiliamos na organização das vendas junto com a Ecoterra, que é a associação que faz as dinâmicas de comercialização. Toda produção é feita de forma planejada com as famílias. Temos uma demanda de mercado construída pela Ecoterra, e a partir disso podemos planejar a produção. Também já tem preço definido. Antes de plantar qualquer produto a família já saberá quanto receberá pelo mesmo”, explica Concolatto. Ao todo, o Cetap acompanha em torno de 120 famílias no Alto Uruguai e o técnico comenta sobre as dificuldades em aumentar a produção e o número de famílias novas. “Há o desafio da sucessão além dos desafios da própria agroecologia: pensar sementes, mudas, consumo, comercialização e certificação. Envolve bastante coisa”, destaca.


No entanto, Concolatto está com boas expectativas com relação ao ciclo de seminários que estão sendo realizados. “Vamos tentar mobilizar ainda mais os produtores, além de ser uma oportunidade para eles aprenderem e para nós também. Imaginamos dar um salto de qualidade e de produção a partir dos seminários”, finaliza.


Segundo o assessor técnico, a Ecoterra comercializa em torno de 35 toneladas de alimentos semanalmente. São mais de 100 produtos diferentes e 116 pontos de comercialização de produto orgânico.


Batata-doce: como produzir com qualidade?

A atividade desta terça-feira foi conduzida pelo Cetap, com assessoria da engenheira agrônoma Andrea Becker, que focou na produção de batata-doce: variedades; solo; condições para o desenvolvimento da planta; como “limpar” as mudas de bactérias, fungos e vírus; rotação de culturas; cultivo; entre outros pontos.


Segundo o presidente da Cresol Itatiba do Sul, Paulo Cezar Mioto, o município tem um potencial muito grande no cultivo da batata-doce. “Algumas famílias pararam de produzir devido a doenças, então foi uma demanda nossa que ocorresse uma capacitação nesse sentido”, comenta.


Já o agricultor Cleonir Rudniski foi confiante: “A nossa região tem a melhor batata-doce do mundo”, salientou. Ele produz mais de 80 variedades de produtos orgânicos, já que implantou uma agrofloresta em sua propriedade, mas os carros-chefes, além da batata, são a banana e o abacate. Tudo orgânico.


Outro participante do seminário, Isaias Wastchuk, tem como principal produção os citros. Em 2021, só da propriedade dele, saíram 190 toneladas de alimentos orgânicos. Ele comentou sobre a importância da parceria entre Cetap e Coopertec não apenas na realização de seminários, mas na assistência técnica na propriedade, pois assim podem aprender, colocar em prática e aprimorar a produção e a qualidade. A família iniciou na produção orgânica há cinco anos, sendo dois anos na transição e há três já certificada.

Wastchuk está pensando inclusive em aumentar a área, com objetivo de produzir 500 toneladas de alimentos orgânicos dentro dos próximos cinco anos. “Acreditamos muito na produção de alimentos e quando falamos de alimentos orgânicos há todo um contexto diferenciado e o futuro, o presente, do agricultor é a produção orgânica e alternativa. É para esse lado que devemos partir”, argumenta.


Em Itatiba do Sul foram quase 400 toneladas de alimentos orgânicos comercializados no ano passado. O presidente da Cresol, Paulo Mioto, lembra que inicialmente eram 20 famílias acompanhadas e hoje são mais de 40. Além do convênio com o Cetap, há o apoio da Prefeitura Municipal que disponibiliza outro técnico para acompanhamento das famílias.


Coopertec


O coordenador da Coopertec, Roque Nadal, comenta que há anos a cooperativa vem investindo em agroecologia. Um dos projetos mencionados por ele, foi o desenvolvido no Vale do Itajaí através do Programa Nacional de Diversificação em Áreas Cultivadas com Tabaco. Além disso, há projetos de fomento a agroecologia, como esse desenvolvido no Alto Uruguai gaúcho e no Sul de Santa Catarina com prestação de assessoria para famílias. “Buscamos cada vez mais incentivar os agricultores, auxiliando na criação de demanda de produção, casada com a cadeia de comercialização. A Coopertec vem sendo um elo entre o agricultor e o consumidor final para ter na mesa cada vez mais produtos livres de agrotóxicos”, salienta Nadal.


Cetap


O Cetap possui sede em Passo Fundo (RS), com escritórios em Vacaria, Sananduva e Erechim. Possui uma história de 36 anos. “Surgiu com a Revolução Verde em que a famílias que foram excluídas da tecnologia criaram essa organização sem fins lucrativos para trabalhar a agricultura alternativa na época. Depois veio a produção orgânica e agroecologia”, explica Concolatto. Além do trabalho com os agricultores, o Cetap atua junto à escolas, Centros de Referência de Assistência Social (Cras) dos municípios, pessoas em vulnerabilidade social, enfim, alguns públicos urbanos. “Não tem porque só produzirmos, sem trabalhar o consumidor para que saiba a importância de consumir um alimento de verdade, sem uso de agrotóxicos e produtos químicos, então buscamos fazer sempre essa mediação entre público urbano e rural”, comenta Albenir.


Seminário Sementes Crioulas


O primeiro seminário deste projeto foi realizado em Jacutinga (RS) no dia 10 de agosto, com o tema “Sementes Crioulas, produção de grãos e insumos biológicos”. Conforme informações do Cetap, naquela ocasião foi destacada “a necessidade de converter o modelo de agricultura baseado em insumos químicos sintéticos e transgênicos, que contaminam o solo, os alimentos, o ser humano e os recursos naturais, para uma agricultura sustentável, baseada no controle biológico e que utilize insumos orgânicos” (https://www.cetap.org.br/).


O evento proporcionou, ainda, um momento de troca de sementes entre os participantes, que é uma prática muito comum entre os cultivadores de sementes crioulas. Assim, as sementes se fortalecem.


O próximo seminário está agendado para 21 de setembro em Aratiba (RS), sobre a cultura de citros. Já em Itatiba do Sul, será realizado outro evento no dia 06 de dezembro sobre abelhas sem ferrão. Na data, a Cresol pretende inaugurar na praça um meliponário, com exposição de várias espécies de abelhas sem ferrão, para crianças e a população em geral visitarem.


Fonte: https://cresol.com.br/seminario-sobre-agroecologia-e-realizado-em-itatiba-do-sul

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page